(41)99800-9412



Notícias:
FOLHA - Senado aprova projeto que aumenta licença-paternidade de 5 para 20 dias
TRT18 – Tribunal reconhece natureza salarial de “direito de imagem” pago a goleiro do Vila Nova
TST - Empresária é condenada por induzir empregada a assinar pedido demissão para não pagar verbas rescisórias
Mantida condenação patronal em caso de vendedor dispensado por ter mais de 50 anos
Cipeiro despedido por justa causa após denunciar irregularidades deve ser reintegrado
Controle de uso de banheiro não é suficiente para caracterizar dano moral
Considerada revel a empresa ausente à audiência ainda que presente seu advogado munido de defesa
Bombeiro que não fazia só combate a incêndio tem adicional negado em Goiás
SDI-1 define empregado rural pela atividade principal do empregador
Bancário também receberá diferenças de complementação de aposentadoria





Bombeiro que não fazia só combate a incêndio tem adicional negado em Goiás

Enviado em



A Terceira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (GO) negou pedido de adicional de periculosidade a bombeiro que desempenhava atividades não exclusivamente relacionadas com a prevenção e combate de incêndio.

O bombeiro alegou que anualmente realizava cursos profissionalizantes para exercer a função de auxiliar de combate a incêndio e apenas algumas vezes foi deslocado para realizar outras tarefas (molhar estradas e plantas), não podendo ser penalizado por ter sido desviado de função.

De acordo com testemunhas, a média de incêndios era de quatro a cinco ocorrências por mês. Apenas na época das queimadas controladas, entre julho e setembro, as ocorrências eram maiores, por volta de três por semana. Testemunhas afirmaram ainda que, além de combater o fogo, os auxiliares molhavam estradas e lavavam máquinas da colheita mecânica.

Para a relatora, desembargador Elza Silveira, ficou comprovado pela prova testemunhal que o trabalhador não exercia exclusivamente as atividades de combate e prevenção a incêndios para fazer jus ao adicional de periculosidade. A desembargadora destacou também que não ficou configurado nos autos o desvio de função, como alegou o autor da ação.

A Lei nº 11.901/2009 considera Bombeiro Civil aquele que, habilitado, exerça, em caráter habitual, função remunerada e exclusiva de prevenção e combate a incêndio, como empregado contratado diretamente por empresas privadas ou públicas, sociedades de economia mista, ou empresas especializadas em prestação de serviços de prevenção e combate a incêndio.

A referida lei também garante ao brigadista o direito de receber um adicional de periculosidade de 30% do salário mensal, tendo em vista o alto grau de risco que envolve a atividade.

(Processo TRT- RO – 0000079-71.2011.5.18.0129)

Fonte: TRT 18
Link: