(41)99800-9412



Notícias:
FOLHA - Senado aprova projeto que aumenta licença-paternidade de 5 para 20 dias
TRT18 – Tribunal reconhece natureza salarial de “direito de imagem” pago a goleiro do Vila Nova
TST - Empresária é condenada por induzir empregada a assinar pedido demissão para não pagar verbas rescisórias
Mantida condenação patronal em caso de vendedor dispensado por ter mais de 50 anos
Cipeiro despedido por justa causa após denunciar irregularidades deve ser reintegrado
Controle de uso de banheiro não é suficiente para caracterizar dano moral
Considerada revel a empresa ausente à audiência ainda que presente seu advogado munido de defesa
Bombeiro que não fazia só combate a incêndio tem adicional negado em Goiás
SDI-1 define empregado rural pela atividade principal do empregador
Bancário também receberá diferenças de complementação de aposentadoria





FOLHA - Senado aprova projeto que aumenta licença-paternidade de 5 para 20 dias

Enviado em 14/02/2016



O Senado aprovou nesta quarta (3) projeto de lei que prevê aumento da licença-paternidade de 5 para 20 dias para empregados de empresas que aceitem o programa. O texto vai para sanção da presidente Dilma.

A alteração está dentro de lei que prevê um marco legal de atenção à primeira infância (crianças de 0 a 6 anos).

Se sancionado, o aumento da licença beneficiará funcionários de empresas vinculadas ao programa Empresa Cidadã, criado em 2008 para estimular a licença-maternidade de seis meses.

CUSTO EXTRA

No caso das que têm regime tributário de lucro real e da administração pública (cerca de 65% dos trabalhadores do país), o custo poderá ser absorvido pela União (o gasto poderia ser abatido do IR de Pessoa Jurídica).

Trabalho da faculdade de economia da USP e da ONG Maria Cecília Souto Vidigal (que atua na área da primeira infância) indica que a extensão da licença deve custar o equivalente a 0,009% da arrecadação federal (dados de 2014), considerando o cenário mais provável de adesão.

O aumento de gasto pode, no entanto, trazer dificuldade adicional para a sanção do Executivo, que busca neste momento reduzir despesas.

NÃO BASTA SER PAI

Diretor-presidente da ONG Maria Cecília Souto Vidigal, Eduardo Queiroz defende a proposta, por entender que ela beneficia a sociedade.

Pesquisas mostram que maior envolvimento paterno nos primeiros dias de vida ajuda no desenvolvimento cognitivo e emocional da criança, aumenta o período de amamentação (devido ao maior apoio à mãe) e eleva o vínculo do pai com a criança.

Consultada pela Folha no fim do ano passado sobre o tema, a Confederação Nacional da Indústria afirmou ser necessário avaliar o impacto da perda da produtividade nas empresas devido ao afastamento de profissionais qualificados, uma das grandes dificuldades atuais do país.

A licença-paternidade foi instituída no Brasil em 1988. Se for a 20 dias, o prazo vai se equiparar ao de Portugal.

Os países com as maiores licenças são Islândia, Eslovênia (90 cada) e Finlândia (76), segundo a Organização Mundial do Trabalho. Na América Latina, as maiores licenças são concedidas pela Venezuela (14 dias) e pelo Equador (10 dias) e a menor é a da Argentina (2 dias).

A proposta estabelece que, além da proteção à criança, como já é determinado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, haja a promoção do desenvolvimento integral de meninos e meninas.

O texto também determina que a criança seja considerada na elaboração das políticas para a primeira infância.

Fonte: Jornal Folha de São Paulo
Link: