(41)99800-9412



Notícias:
FOLHA - Senado aprova projeto que aumenta licença-paternidade de 5 para 20 dias
TRT18 – Tribunal reconhece natureza salarial de “direito de imagem” pago a goleiro do Vila Nova
TST - Empresária é condenada por induzir empregada a assinar pedido demissão para não pagar verbas rescisórias
Mantida condenação patronal em caso de vendedor dispensado por ter mais de 50 anos
Cipeiro despedido por justa causa após denunciar irregularidades deve ser reintegrado
Controle de uso de banheiro não é suficiente para caracterizar dano moral
Considerada revel a empresa ausente à audiência ainda que presente seu advogado munido de defesa
Bombeiro que não fazia só combate a incêndio tem adicional negado em Goiás
SDI-1 define empregado rural pela atividade principal do empregador
Bancário também receberá diferenças de complementação de aposentadoria





TRT18 – Tribunal reconhece natureza salarial de “direito de imagem” pago a goleiro do Vila Nova

Enviado em 14/02/2016



O jogador do Vila Nova Cleber Alves teve reconhecido na justiça trabalhista o valor pago a título de direito de imagem como parte integrante da remuneração. Além disso, o clube foi condenado a pagar as verbas rescisórias e indenização por danos morais, no valor de R$ 10 mil, pelos constantes atrasos salariais e o não pagamento das verbas rescisórias após ser dispensado sem justa causa.

A Segunda Turma de julgamento levou em consideração jurisprudência do TST, no sentido de que o valor pago ao atleta profissional de futebol pelo uso de sua imagem constitui uma das formas de remunerar o jogador pela participação nos eventos desportivos disputados, decorrendo diretamente do trabalho desenvolvido pelo empregado.

O jogador havia sido contratado para atuar como goleiro do clube de abril a dezembro de 2014. O Clube havia fechado três contratos diferentes com o goleiro, um contrato típico de trabalho, um de auxílio-moradia e um contrato de direito de imagem. Um mês antes do fim dos contratos, entretanto, o goleiro foi demitido sem justa causa e sem a quitação dos últimos três meses de contrato.

O clube recorreu ao TRT de Goiás contra a decisão do juiz da 13ª VT de Goiânia, Pedro Henrique Menezes, que havia determinado a integração ao salário do valor pago mensalmente a título de uso de imagem para todos os efeitos e reflexos legais. A empresa alegou que o próprio jogador fez o pedido para a assinatura do contrato de direito de imagem e havia concordado com a forma de pagamento, estando, inclusive, assistido por seu empresário.

A relatora do processo, juíza convocada Marilda Jungmann, destacou o depoimento da testemunha do jogador, que também havia atuado no clube no campeonato de 2014. Segundo a testemunha, o contrato de direito de imagem foi assinado a pedido do clube e o goleiro não havia pedido demissão, mas sido dispensado. A magistrada também levou em consideração o atual entendimento do TST, no sentido de ser salarial a renda auferida pelo atleta profissional de futebol a título de direito de imagem, por tratar-se de verba paga por força do contrato de emprego. A relatora observou que o valor pago a título de direito de imagem (R$ 9.500,00) em relação ao valor do salário mensal (R$ 3.500,00) foge à lógica da proporcionalidade, denotando a mera intenção do reclamado de burlar a lei trabalhista.

Os demais membros da Turma julgadora seguiram, por unanimidade, o entendimento da relatora, e decidiram manter a sentença de primeiro grau que reconheceu a remuneração composta por salário e direito de imagem, para todos os efeitos e reflexos legais. Assim também foi mantida a decisão inicial com relação à indenização por danos morais, no valor de R$ 10 mil, multa de 40% do FGTS e o pagamento das demais verbas rescisórias referentes à dispensa sem justa causa.

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região
Link: